AGENDAMENTO DO AUDITÓRIO DO GGBS

Última atualização: 11/03/2016

Auditório com capacidade para 130 lugares - Localizado no Prédio da DGA

Equipado e preparado de forma adequada para a realização de cursos, palestras, workshops e atividades afins.

Possui projetores multimídia, computadores, equipamentos de áudio, ambiente climatizado, rampa de acesso a cadeirantes e adaptações sanitárias para portadores de necessidades especiais.

Recursos: Áudio visual

Horários para agendamento: Segunda a Sexta - 09:00 às 17:00.

Procedimentos para Agendamento: 

 

Clique aqui e preencha o formulário de solicitação de agendamento.

Clique aqui para visualizar as normas de locação do auditório.
 

Fotos

Última atualização: 03/03/2016

Localização

 

 

 

 
Última atualização: 23/11/2016

"As transmissões são realizadas em parceria com o GGTE/Unicamp, o qual  
oferece uma solução de transmissão e edição de videos baseada em  
software livre, para ambientes GNU/Linux."
 
Última atualização: 15/04/2016

COMPARTILHAR

O caminho para o diabetes não é somente a escolha incorreta dos alimentos, mas também a quantidade que se consome. Com uma ilustração, durante palestra sobre prevenção e cuidados com esta doença crônica, o professor aposentado da Universidade Federal de Mato Grosso, Walter Minicucci, esclareceu: “Não comam barde nem penca. Barde de comida e penca de fruta, pois não adianta fazer a dieta, mas exagerar na quantidade, pois alguns alimentos têm quantidade natural de açúcar”, brincou, mas alertando para algo sério: a cada ano, a doença é responsável por 14,5% do total de mortes no mundo. Por esta e outras preocupações, o Departamento de Enfermagem do Hospital de Clínicas seguiu a decisão da Federação Internacional de Diabetes e da OMS de dedicar o Dia Mundial da Saúde ao diabetes.
 

A diretora da Divisão de Nutrição e Dietética do Hospital de Clínica, Harume, é preciso atentar para nutrientes ocultos em alimentos processados e ultraprocessados, além da redução de sal, açúcar e gorduras. Para ela, é importante não deixar chegar às complicações e investir na prevenção.

Para a diretora da Faculdade de Enfermagem da Unicamp, Maria Isabel Pedreira de Freitas, a melhor forma de promover a prevenção e outros aspectos que envolvem cuidados com os pacientes é trabalhar institucionalmente, ao lado da OMS e da federação. “Isso permite que caminhemos de forma organizada, com cidadania, limites e regras”, acrescentou.

Por experiência familiar, Isabel defende o acesso amplo às tecnologias desenvolvidas para aliviar o tratamento do diabetes. Ela enfatizou que o valor de uma bomba para insulina está em torno de R$ 12 milhões, e a manutenção está na casa dos R$ 7 milhões.

Para o professor Antonio de Oliveira Filho, ainda que uma mudança radical não seja possível, as pessoas precisam mudar ou adotar, aos poucos, hábitos que previnam ou auxiliem no tratamento. “Temos de pensar o que precisamos fazer no dia a dia para que nossa vida saudável seja exemplo para a vida do outro”, declarou.

O coordenador-geral do Grupo Gestor de Benefícios Sociais (GGBS) da Unicamp, Edison Lins, disse que faz parte da missão natural do órgão apoiar eventos voltados para a promoção de saúde e qualidade de vida, como é o caso da iniciativa do Departamento de Enfermagem. “Não há qualidade de vida sem saúde”, comentou. Na ocasião, sugeriu que o conteúdo do evento faça parte do VI Simpósio de Servidores da Unicamp (Simtec), a ser realizado em setembro deste ano, em comemoração aos 50 anos de Unicamp e 10 anos de GGBS.
 

Apesar de o Atlas do Diabetes apontar que 5 milhões de pessoas entre 20 e 79 anos foram a óbito por complicações com a doença, grande parte da população não se dedica aos cuidados necessários para combatê-la.

No mundo todo, segundo Minicucci, em 2015 aproximadamente 415 milhões de pessoas foram diagnosticadas com diabetes tipos um ou dois, e as  previsões indicam que em 2030 este número  poderá atingir mais de 640 milhões  de pessoas, sendo que 51,9% constituídos por pessoas do sexo masculino e 48,1% do sexo feminino.
Um dos fatores que favorecem do diabetes é a obesidade, outra doença grave na atualidade. De acordo com estudos recentes, as mulheres, aos poucos, superam os homens em relação à obesidade.
 

COMENTÁRIOS DEIXE SEU COMENTÁRIO